sábado, 9 de janeiro de 2010

A poética das cores ou os primeiros acordes de um novo ano




Tenho um móbile em meu quarto que pela manhã, aos primeiros raios de sol,
refrata e decompõe a luz em cores que inundam as paredes, os móveis e o meu corpo.
Lá fora a mata verde desperta, o azul do céu floresce e o som dos passarinhos
finalmente, me desperta. O que há para dizer?
Existem palavras que possam descrever todo este amor? Esta paixão de ser?
Vá saber, eu tento.
A brisa fresca provoca arrepios deliciosos... saio da cama
como estou, caminho despertando cada canto do apartamento.
Como é bom viver! Doce e suave pode ser.
Fecho meus olhos e aproveito o instante, este enleio, para me imaginar em seus sonhos.
Vejo as cores fortes com as quais você pinta o seu universo interno,
sinto o material onírico se desfazer em cores suaves com a minha presença, me vejo
chegar devagar - pinto um sol, uma lua e no fundo luzes se misturam.
Venho para você, só para você e seus olhos de mar.
Chego nua e intensa, febril e inexata, com medo, mas voraz. Caminho até você que observa meu ballet, minha dança, já aflito, ardido, banhado de suor.
Neste momento não negamos o amor, apenas somos o amor, consumamos o amor
calmamente, como se tivéssemos todo tempo do mundo, como senhores da vida
que é nossa. Ah, o querer sem avessos e conflitos, o amor que se desfaz
nesta poética de cores com as quais pintamos nosso prazer!
Tenhamos prazer, testemos nossas fantasias misturadas com o mundo surreal dos
nossos sonhos. Junte seus lábios aos meus com loucura e tesão, grude seu corpo ao meu
através de nossos fluídos e suores, quero sentir seus pelos eriçados e o suspiro delicado,
o seu peso e o seu cansaço. Quero mergulhar no verde do seu mar e me deixar naufragar,
tranqüila, vendo as cores de cada manhã renovadas no viver de cada dia.

2 comentários:

Lucas Pimenta disse...

Uau!! Intenso... vivo. Parabéns. Adorei!

Então é fã de Ken Parker? Um exemplar único da nona arte, não?

Jefferson de Morais disse...

Neste post você conseguiu retratar erotismo, sem vulgaridade. Não é qualquer um que consegue!
Gostei bastante de seu blog.

Jefferson.