segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Él Paraguay - por Arturo Peña












A manera de introducción

Se lo debía de hace rato. Mi querida amiga Cynthia me había pedido unas líneas para acompañar las lindas fotos que hizo durante su paso por Asunción, ocasión en que tuve el placer de conocerla. Y luego conocer también sus poemas, que son una extensión de ella. Y bueno, aquí están: humildes, quizás pocas para explicar este universo de poco más de 400 mil kilómetros cuadrados que es el Paraguay, pero líneas al final que llevan todo mi afecto (quizás esto les de también una pequeña muestra de esa particular relación que tenemos los paraguayos con el tiempo… Por ejemplo, cuando te digo: “mañana”, puede ser cualquier mañana… pero finalmente amanece).

Historias de una misma sangre

Cuenta la leyenda que del gran diluvio universal del que había anunciado el profeta Tamandare, solo sobrevivió una familia, a la que le fue asignada por Tupa (Dios) la misión de repoblar la Tierra. De esta familia de indígenas carios nacieron los hermanos Tupi y Guarani. Los hermanos crecieron fuertes en las inmensas selvas americanas, cultivando la tierra, cazando y protegiendo el paraíso natural que les rodeaba. Tuvieron sus esposas e hijos y compartieron el hogar.
Sin embargo, debido a disputas entre sus familias, pactaron separarse. Fue así que Guarani se dirigió hacia las tierras del sur, dando origen a los Pueblos que conocemos como los Guaraníes en Paraguay, noroeste de la Argentina y sur de Brasil. Mientras que Tupi llevó a su familia a poblar los territorios que hoy corresponden al Brasil y hacia el norte del continente. Así, según la leyenda, nacieron las dos familias carias más importantes de esta parte del continente, razas libres, fuertes e independientes, que dominaron el territorio hasta la llegada de los españoles.
Es por ello que lo que pueda contar de mi país es en realidad parte una misma historia, de una misma sangre que corre por nuestras venas, esas “venas abiertas” de Eduardo Galeano, que nos recorren de norte a sur y de este a oeste.
En Paraguay, nuestra sangre guaraní está muy presente, en el cotidiano, cuando subimos al bus para ir al trabajo, cuando salimos a comer algo, en el hogar. Está presente en nuestra forma de ver la vida, el día a día. Porque está presente en nuestra palabra.
El idioma guarani –lengua oficial del Paraguay junto con el español- es una de las grandes riquezas de nuestro pueblo. Es el cable de conexión con nuestros antepasados y es nuestra identidad hoy. Hablado de forma más pura y por la gran mayoría de la población en las zonas rurales, el guarani, en su forma urbana, se lo conoce como “jopara” (que significa: mezcla, en guarani), que es una fusión de una base hablada en guarani con vocablos en español insertados, sin una regla aparente. Por ejemplo: Jaha estadiope (Vamos al estadio: donde a la palabra estadio se le agrega la terminación “pe”, que vendría a cumplir una función de especie de adverbio de lugar).
El jopara se escucha en todas las esquinas, en las rondas de encuentro, donde tampoco falta el “terere”, una infusión de yerba mate con agua fría –sería un chimarrão con agua fría-, bebida muy tradicional del Paraguay, que tendría que ser, a mi criterio, incluido entre los símbolos nacionales, por lo menos. El terere en el Paraguay es casi vital. La utilización de la yerba, heredada de nuestros padres guaranies, es un verdadero aliciente en la época estival debido a las altas temperaturas y acompaña al paraguayo vaya a donde vaya, al estadio para ver un partido de fútbol o al trabajo (en momentos que se escriben estas líneas tenemos 34 grados de temperatura, en pleno noviembre. Obviamente, tengo mi terere aquí al lado…).
Si recorremos la historia del Paraguay, vemos que es una historia de sacrificio, como toda la historia latinoamericana. Es la vida de un pueblo que sigue cicatrizando hasta hoy, debido a que se sigue dañando sobre sus viejas heridas.
La Guerra de la Triple Alianza (1865-1870) marcó a fuego nuestra historia. El conflicto, al que el escritor brasilero José Luis Chiavenato bautizó como el “genocidio americano”, enfrentó al Paraguay contra los ejércitos unidos de Argentina, Brasil y Uruguay, en una guerra sangrienta. Los grandes intereses del capital internacional llevaron a estas naciones hermanas a la confrontación, dejando para el Paraguay un saldo devastador, con el exterminio de casi toda la población, el robo de su territorio anexado por Brasil y Argentina, y la pérdida de su soberanía. Un país en ruinas. Una nación truncada. Y una nueva historia que se abría hacia un futuro incierto. De esta guerra se desprenden los grandes latifundios de tierras, vendidas por migajas para pagar los costos de la guerra, adquiridas por empresas y terratenientes extranjeros. La injusta distribución de la tierra sigue constituyendo hoy uno de los principales problemas sociales y económicos en el país.
Hoy el Paraguay trata de levantarse de otro periodo nefasto de su historia: la dictadura militar del general Alfredo Strossner, quien mantuvo al pueblo oprimido bajo un régimen de 35 años, que dejó centenares de muertos, desaparecidos y torturados, y sentó las bases para que su partido político, el partido Colorado, continuara en el gobierno por casi treinta años más.
Seis décadas de gobierno Colorado cayeron el pasado año, con la elección como presidente del Paraguay de Fernando Lugo, un ex obispo de la iglesia católica, hombre con un pasado de lucha social en una de las zonas más pobres del país, el departamento de San Pedro, quien surgió como una alternativa para una población harta de la corrupción política.
Los nuevos tiempos no vienen fáciles. Lugo está en la complicada misión de pelear, sin un respaldo político sólido, contra la estructura colorada, ahora en la oposición, que sigue activa a pesar de no ser gobierno y que ha puesto en marcha la maquinaria de la desestabilización. Hoy, la discusión política gira en torno a un intento de juicio político al presidente Lugo impulsado desde el Congreso. Un escenario de inseguridad social creado y alimentado por los medios de comunicación en manos de la derecha, ante el temor al perfil socialista del nuevo mandatario.
Augusto Roa Bastos, nuestra figura literaria más importante, definió al Paraguay como “isla sin mar”. Ciertamente, nuestra condición de país mediterráneo nos hace una especie de país para adentro. Poco se sabe quizás de lo que está pasando dentro de estas fronteras, pero no les miento si les digo que el futuro de una nueva historia latinoamericana, una nueva era que aspire a la justicia social y la igualdad, se puede estar jugando en parte aquí.
El terere se va acabando con estas líneas, que tratan de contar brevemente –y si me extendí más de la cuenta, mis disculpas- algo sobre mi país.
Otra de las características de nuestra gente es su hospitalidad, que espero la hayan podido sentir aquellas personas que ya nos visitaron. Por ello, entonces, les invito a cordialmente a que se vengan cuando quieran.
Tienen una casa en Paraguay.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Quero ler um poema

Hoje é dia 27/10/2009, nuvens escuras pesam sobre a cidade do Rio de Janeiro.
Tomo banho, me visto e vou trabalhar.
Foi exatamente no momento de entrar no trem do metrô, para o centro que reparei: eu lia um livro, enquanto praticamente todas as pessoas estavam com fones de ouvido e os seus MPs quaisquer coisa da vida.
Eu lia um livro, constatei. Um livro de poesia.
E, pelo menos naquele vagão ninguém lia nada, apenas balançava a cabeça, hora ou outra, no ritmo de um música inaudível para mim.
Cada um em seu universo.
Todo mundo indo para o trabalho ensimesmado (e pela primeira vez acredito entender o conteúdo desta palavra).
Eu lia um livro de poesia, e me deu uma vontade de ler alto. Acho que ninguém iria notar.
Você pode ler este texto e dizer: e dai, o que você quer dizer com isso?
Sei lá, não quero falar o óbvio, mas não está claro que tudo é muito óbvio?
Que a maioria das pessoas escuta o que a maioria escuta, lê no máximo revistas de variedades e vê muita televisão estatelada no sofá da sala?
Então ninguém mais vê o outro e agora ninguém mais ouve o outro, qual o próximo passo?
Eu não sei, mas o que quero é escrever este poema, que desejei ler alto para um monte de gente, no metrô, na Central do Brasil, nas igrejas, nas ruas, etc:

De Nei Duclós

O mar perdeu o mar
as ondas vem avisar
Netuno não cansa de gritar
nem os búzios sabem onde está

A água bate
e volta sem encontrar
Inúteis faróis acendem e apagam

Mas o mar está louco
e pediu para despistar
Não posso dizer nada
Quem se perdeu? Não sei
Brinco na areia e calo

Do Livro NO MEIO DA RUA (1979)

A chuva desce forte sobre a cidade do Rio de Janeiro, enquanto escrevo,
só Deus sabe porquê.

domingo, 25 de outubro de 2009

Gente, eu confesso: não resisti...

Embora este seja um espaço de discussão, opinião e atitude,
eu confesso, não resisti, é um porco-espinho, coisa mais fofa
e linda. E afinal tudo é criação de Deus, então, aí vai uma
imagem bela da natureza para alegrar o final deste domingo,
Dia do Senhor.



domingo, 18 de outubro de 2009

Arturo Peña


Arturo é jornalista, excelente prosador e poeta.
Uma amizade preciosa que trouxe do Paraguai:




Un hombre sediento iba caminando penosamente sobre la caliente arena de un desierto. En un momento tuvo una alucinación. A lo lejos vio un oasis de aguas claras y frescas. Se acercó a rastras y al llegar a lugar de su visión, sació su sed imaginariamente. Se refrescó. Descansó. Siguió caminando hasta su próxima alucinación.

Tirado do blog:

http://paraguayrecargado.blogspot.com/

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Eis um pouquinho do Paraguai que vi:

Fui ao Paraguai a trabalho, pude ver muito pouco, mas do que vi gostei muito.




















quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Pão com queijo


Desabafar!
Pois é, não parece ser o melhor espaço, mas se a gente se sente
sufocada e se está em meio ao trabalho e não dá para chutar o
cachorro ou gritar, para não explodir - a gente escreve. Eu escrevo,
afinal, não é politicamente correto chutar bichinhos, gritar na
janela em pleno centro da cidade, para todo mundo ouvir e deixar
que me carreguem para o hospício mais próximo!
Caramba, não acredito em ninguém ou nada, estou totalmente cética
com relação as relações humanas em geral e no particular. Só consigo
crer nos meus sentimentos e em Deus. Onde está meu terapeuta numa
hora destas? Será que o problema é justamente este? Espero muito
dos outros? Exijo muito de mim mesma? Escolho demais ou de menos?
Eu não sei, mas no momento prezado leitor TODO MUNDO É PÃO COM QUEIJO.
Você que me lê pode perguntar: e eu com isso? o que essa doida tá
querendo dizer?
Vou tentar explicar. Talvez nem consiga porque o que sinto é um misto
de despeito, raiva e um profundo desejo de magoar alguém. Ô derrota! rsrs...
No final só rindo da gente mesmo.
Está tão difícil seguir sorrindo ou acreditando.
Está tão óbvio, mais um conto de amor descolorido,
mais um poema que ficou no se... tivesse eu escrito.
Uma música sem melodia, uma canção que eu desafino, desatino amar tanto,
desperdiçar tão grande amor, jogar pérolas aos porcos, comer pão com queijo
por anos a fio.
E essas lágrimas que insistem em desafiar minha razão, meu já pouco tino.
Alguém, em um comentário sobre um dos meus poemas, disse que não se remendava
e por mais entrada em idade que fosse, continuava uma romântica, apesar das
muitas decepções pelo caminho.
Hoje estou triste como ela e vou tateando pela casa, tentando achar um fio,
princípio da minha meada.
É eu não quero o Brad Pitt, o Russel Crowe ou seja
lá o tipão da moda e da vez. Todos bonitões e sarados, mas eu não conheço
nada deles, nada verdadeiro; eu não posso vê-los do avesso.
Daí eles são os bonitões e sarados que a gente vê nos filmes e só.
Dói mesmo são aqueles que deixam antever a alma, e a alma está nos versos,
na arte. Dói o que vc imagina estar próximo e nem vê que o cara está
a vinte mil léguas submarinas de você, num reino muito, muito distante.
Prá lá de Bagdá!
Isso me lembra uma tirinha do Garfield, que em plena segunda-feira, onde tudo dá errado ele se vira para o espelho e diz entredentes: ainda bem que eu tenho bom humor.
Ainda bem que eu tenho bom humor, mesmo tendo reduzido a humanidade a uma simples
expressão (pão com queijo), mesmo não conseguindo rir de mim mesma, mesmo irada
e cheia de inveja e espanto!
Agora eu me calo e fico em silêncio, tento me achar mergulhada no mar do meu sem
palavras. Só para não me magoar mais ou ferir alguém que nada tem a ver com
minhas dores, amores, crises.
Aos meus leitores minhas excusas.

Apesar da certeza que eu tenho que tudo isto tem a ver com todo mundo, em algum
momento, em um determinado tempo, quando amar se torna um ato de rebeldia, um solitário ato de rebeldia.

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Devo e não nego...


Voltei no sábado a noite do Paraguai.
Não, não fui comprar muamba gente! Fui trabalhar.
Assim que tiver um tempo, vou postar as fotos e
falar sobre o lugar e as pessoas que conheci.
Como eu disse: "devo e não nego, pagarei quando
puder", rsrsrs...
Bjs a todos

sábado, 25 de julho de 2009

Ô prosa domingueira!

Texto inspirado nas músicas de Almir Sater


Sentada na poltrona de casa, neste domingo chuvoso e frio em pleno Rio de Janeiro, escuto "Um violeiro toca", de Almir Sater.
Este músico, compositor e cantor, dos poucos que ainda me tiram o chão, com sua voz suave e masculina, consegue me transportar para outra realidade, na fronteira entre o desperto e o sonhado.
Ouço os primeiros acordes e pronto, esqueço o café, a chuva e o frio. Viajo para muito longe... a música me leva pelos caminhos da memória, lembranças de um tempo passado e querido, do céu estrelado no "escurão da noite", sem as luzes da cidade ou o barulho característico das ruas cheias de gente e máquinas. Há somente a melodia e a voz doce que me guia pelo sertão, pelos diferentes aromas, perto do calor do fogo, mergulhada na noite onde não existe medo, apenas os sons dos bichos, a cantoria e a prosa e o chimarrão. Então, tudo é o momento; o teremos para sempre, mas nunca do mesmo jeito, por isso cada um é especial e único.
Escuto a toada e percebo como tudo é simples, afinal: "a viola, o violeiro e o amor se tocam", eu digo, a natureza é isso, toda ela participa deste ciclo encantador e assim seguimos a vida.
A vida como água serena que traz e leva tudo.
Há sempre a possibilidade de um recomeço, da alegria, mesmo que a gente não esqueça a dor. Por quê? Porque a dor faz parte. Como um rio, tudo segue seu caminho transformando a terra, traçando novos rumos. O amor "é um caso sério", mas nós temos a espera.
Todos esperamos.
Nos lançamos na vida diária e, secretamente, esperamos. É da nossa natureza, e em meio a estas muitas águas, como por um milagre, um singelo milagre de Deus estaremos, enfim, de mãos dadas pelos caminhos tendo outros olhos para nos emocionar na caminhada, mesmo em meio a este mundo torto.

Eu espero...

segunda-feira, 13 de julho de 2009

O mito da caverna


Todos conhecem o mito da caverna? É aquele criado por Platão, aquele mesmo... é isto, assim me sintia - uma caverna.
Entretanto, achei imagens tão lindas de cavernas que fiquei claramente maravilhada!
E, depois, homens e mulheres desenharam nas paredes de cavernas suas experiências, suas vidas, suas curas, os milagres que compartilharam e tantas outras coisas.
Isto me fez entender que não dá mesmo, nem a gente se sentindo uma caverna, para ficar por fora do mundo.
A beleza e a história estão gravadas nas cavernas da mesma forma que na superfície da terra. Então me virei pelo avesso e percebi que estava em casa.
Nada disso parece ter muito sentido para você? Você nunca teve vontade de escrever o que lhe viesse a cabeça, mesmo não fazendo muito sentido, pelo menos a princípio?
- (...)
Bom, eu preciso escrever para botar meu coração em ordem, meus sentidos alertas, minha mente esperta, minhas mãos seguras.
Eu tenho um rosto, um corpo, uma concretude; quero abraçar meu amor e sentir no meu peito a batucada louca do carnaval de Olinda!
- (...)
Você não entendeu, foi muito rápido? Vou explicar, tem um tempo que eu luto para ficar no meu canto, nesta caverna, meu lugar seguro, sem me arriscar muito, eu não queria conhecer ninguém e amar e doer como também, (quem sabe?) ser feliz. Porém hoje meu lábios se abriram em um sorriso e em minha boca coloquei um batom vermelho. Meus olhos despertaram acesos, e minhas mãos cheias de poesia, versos e palavras que eu jogo pelo ar... estou mais próxima do meu amor... Quero que o meu amor possa sentir, através da brisa, a minha voz suave a lhe dizer tudo que eu sinto e como é bom sentir.
Estou mais perto do meu amor... e quanto mais junto dele penso estar, mais alegre quero ficar, mais menina, mais viva, mais minha.
É a delícia das delícias... poder saborear cada minuto... o meu amor está próximo... que os anjos de Deus digam amém, se assim for!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Repouso de Helena (Detalhe) - Escultura de Ricardo Kersting


















UMA VISÃO PARTICULAR

Voltei com uma escultura de Ricardo Kersting.
Por quê? Creio que porque estou com meu feminino
a flor da pele e, esta Helena que repousa seus
sentidos como se emergisse do mar, das águas
tranquilas, parece expor exatamente isto: sua face
mais doce. Não digo com isso que o masculino não
possa ser gentil, meigo, só que culturalmente ao
homem é impingida uma força e uma violência que
de fato, se torna mais uma carga pesada e dolorosa,
do que uma marca do gênero.
Ao trazer à tona a face de Helena, ela surge ainda
nublada, seus traços ainda não são totalmente visíveis
e perfeitos, eis então uma visão suave e perfectível,
pronta para despertar e dar a mão à vida.
Ela fala em seu repouso, justamente porque está prestes
a realizar um movimento, a se levantar e sair da pedra
e caminhar - percebendo que seus próprios pés é que fazem
o caminho.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Publicado no blog: http://apayess.blogspot.com/

Título: Adjudicarse el derecho al secuestro y torturas aún en Niños Palestinos






Compaixão...

a dor consome
fibra por fibra, quem sou?
uma criança palestina,
uma criança judia.

terça-feira, 9 de junho de 2009

domingo, 3 de maio de 2009

Edificando


A muito tempo não publico nada no meu blog "Opinião".
Deve ser porque acontece tudo tão rapidamente que no que queria me deter ontem, hoje, já é desinteressante. Mas como não sou "fast food", e este meu blog é tão livre! Resolvi falar de uma música. Kid Abelha é o da ora! e a música: "Amanhã é 23",
eu sei, amanhã não é 23 e nem estamos no fim do mês. Estamos sim no início de maio.
E o que pode parecer para mim, assim tão triste? Este mês é o mais feliz e o mais triste da minha vida. Deixo rancores, mágoas, raivas e culpas, êpa!!! Temos uma contradição aí, se deixo tudo isto para trás então - maio é o mês mais feliz da minha vida!!!!!!!!! Com certeza, só fica uma certa nostalgia por deixar para trás pessoas..., mas peraí, são pessoas com doenças terminais. Eu as entreguei no altar do Senhor por serem elas um fardo muito pesado, sofrido demais para que carregasse sozinha. Doentes da alma, do espírito. Quando ainda adolescente eu reconheci nelas a morte, um caminho sem retorno para a morte. E, reconheci em mim um desejo imenso, de cura para a vida. Meu caminho me levou para a VIDA!
Eu resgatei meu valor, acendi a luz do quarto escuro. Limpei diligentemente a casa e, agora devo comemorar com os amigos, dividir esta alegria com eles. Meus cabelos brancos nascem porque estou envelhecendo e não porque eu permito que os outros invadam meus limites e me levem a loucura, me forçando a compartilhar da sua própria
insanidade. Querendo que eu seja igual, que eu permaneça no desvalor e na tristeza como pano de chão delas. Mesmo que vocês não compartilhem da mesma fé que eu, deem o nome que quiserem para mim é o Espírito Santo de Deus que habita meu corpo que segue me curando a alma; Deus segue me ouvindo, me instruindo e me ensinando.
E principalmente, me amando, exatamente como sou.

Que a Paz e as Bençãos do Senhor estejam com todos. Amém

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

A dor do outro...





COMPAIXÃO, segundo o dicionário MICHAELIS (UOL), significa: dor que nos causa o mal alheio.

Em todas as línguas derivadas do latim, a palavra compaixão forma-se com o prefixo «com» e a raiz «passio» que, na sua origem, significa sofrimento. Nas línguas derivadas do latim, a palavra compaixão significa que ninguém pode ficar indiferente ao sofrimento de outrem (Milan Kundera in A Insustentável Leveza do Ser 1ª parte – cap.9). Texto retirado do blog: http://maktubee.blogspot.com/2005/11/compaixo.html.

Na verdade, toda vez que escuto esta palavra, me vem a mente um conceito simples, com+paixão, a simples capacidade de se colocar no lugar do outro e poder sentir sua dor. Talvez não apenas dor, mas ser capaz de se por no lugar do outro, simplesmente.

Eu não vejo qualquer sentido nas guerras, a não ser a cobiça, a ganância, a arrogância, muito bem temperada pelo sadismo. E, vejo assim qualquer guerra!

Hay guerra, soy contra!!!!!

O que quero comentar aqui diretamente é a guerra entre judeus e palestinos, numa perspectiva pessoal e jornalística, aproveitando as matérias de outros blogs para ilustrar e aprofundar minhas idéias.

Não se trata de dizer ou definir - os judeus são maus e os palestinos são bons, pelo simples motivo que isto não existe! Por quê? Tomo a liberdade de reproduzir aqui versículos da Bíblia:

Romanos 3: 9-18

9 Pois quê? Somos melhores do que eles? De maneira nenhuma, pois já demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado;

10 como está escrito: Não há justo, nem sequer um.

11 Não há quem entenda; não há quem busque a Deus.

12 Todos se extraviaram; juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só.

13 A sua garganta é um sepulcro aberto; com as suas línguas tratam enganosamente; peçonha de áspides está debaixo dos seus lábios;

14 a sua boca está cheia de maldição e amargura.

15 Os seus pés são ligeiros para derramar sangue.

16 Nos seus caminhos há destruição e miséria;

17 e não conheceram o caminho da paz.

18 Não há temor de Deus diante dos seus olhos.

Os versículos reproduzidos acima nos dão conta de que somos todos iguais, que existimos pela Graça do Pai, somente, e como toda a Graça, trata-se de benção "imerecida", já que estamos todos no mesmo barco.

Assim resta-me concluir com a matéria abaixo reproduzida do blog http://marcelonettorodrigues.blogspot.com/, onde o historiador Christian Karam, especialista no conflito palestino-israelense, explica em entrevista, a situação daqueles países.

De Marcelo Netto Rodrigues, redação do jornal Brasil de Fato.

O historiador Christian Karam recupera o processo de formação do Estado hebreu e diz que o Hezbollah tem apoio massivo de grupos sociais libaneses historicamente marginalizados pela elite burguesa-liberal de Beirute.
Em entrevista, o historiador Christian Karam, estudioso da História do Islã, do Oriente Médio e do conflito palestino-israelense traça um raio-x cronológico sobre a origem do "Estado de Israel" e suas profundas implicações.
Karam explica que, apesar de outras regiões terem sido cogitadas para a instalação do "Estado de Israel", em fins do século 19 – como Uganda (na África Oriental) e a Bacia do Rio da Prata – , a região da Palestina Otomana acabou se sobressaindo das demais em virtude principalmente das migrações massivas, a partir de 1917, incentivadas pelo governo britânico – que "via com bons olhos" imperialistas a criação de um "lar nacional judaico" na Palestina histórica (de maioria populacional árabe e islâmica).
Karam é formado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) onde, durante a graduação, concentrou e aprofundou seus estudos acerca da História do Islã, do Oriente Médio e do conflito palestino-israelense. Além de possuir experiência em pesquisa acadêmica nessa área, foi conferencista e professor de cursos sobre a História do Islã e do Oriente Médio na Colômbia. No Brasil, já atuou como palestrante, participou de debates e entrevistas no rádio e na televisão e escreveu artigos sobre tais temas. Atualmente, finaliza uma temporada de cursos e palestras sobre a História do Islã e do Oriente Médio e a História do Brasil em Bogotá e dedica-se ao curso de Mestrado em História Social na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP).
Sobre o desenrolar do conflito atual, Karam acredita que "a maioria dos governos dos países ocidentais que pertencem ao que, numa linguagem marxista, chamamos de "centro do sistema capitalista" (como o G-7, a Rússia e a Austrália), e também seus aliados da periferia, respaldará claramente Israel ou, em alguns poucos casos, levantará a bandeira da "paz" – conceito que, esvaziado de seu real sentido e propósito, tornou-se uma espécie de "moda pós-moderna politicamente correta" das relações internacionais".
Porém, duvida "da adoção de medidas e sanções concretas contra o uso desproporcionado e ilegal da força militar por parte de Israel ao atacar a Faixa de Gaza e o Líbano nessas últimas semanas". Para Karam, o massivo apoio interno que o Hezbollah tem recebido advém de "grupos sociais libaneses historicamente marginalizados (operários, classes médias urbanas e camponeses de maioria xiita) pela elite burguesa-liberal tanto cristã como muçulmana sunita de Beirute e das principais cidades do país".

Brasil de Fato – O senhor poderia nos fazer um resumo sobre a origem do "Estado de Israel".
Christian Karam– O termo "sionismo" foi criado em 1885 pelo escritor judeu-austríaco Nathan Birnbaum como uma alusão a "Sion", um dos nomes bíblicos de Jerusalém (Al-Quds para os árabes e muçulmanos). Nessa época, "sionismo" basicamente significava uma resposta ao problema nacional judeu que advinha de dois principais fatos: da dispersão judaica em vários países e regiões do mundo; e da sua constituição, em cada um desses países, como uma minoria populacional, onde inclusive muitos judeus eram perseguidos, como era o caso da Europa anti-semita do século 19. Assim, a solução sionista pretendia acabar com essa situação, através do retorno a "Sion" (que hoje, conhecemos como um fenômeno histórico idealizado e concebido como o mito de origem fundador do nacionalismo judeu moderno), onde conformariam uma maioria populacional e uma entidade político-estatal independente. Assim, é nesse espectro que surge o sionismo político internacional fundado pelo jornalista judeu-húngaro Theodor Herzl (1860-1904) na Europa em fins do século 19 como um movimento nacionalista preponderantemente laico e secular que visava à fundação de um Estado nacional judaico. Para Herzl, o "problema judaico" (abordado no seu livro "O Estado judeu", de 1896) não se resolveria através da assimilação a outras sociedades ou países, e nem era de origem econômica, social ou religiosa, mas sim nacional. Com isso, Herzl via como única solução possível o abandono da diáspora pelos judeus para a conquista de um território sobre o qual exerceriam uma soberania para organizar e estabelecer o seu próprio estado nacional.
BF – A história que uma região na África havia sido especulada para receber os judeus pós-guerra confere?
Karam– Em fins do século 19, os sionistas haviam proposto a colonização judaica da Palestina Otomana, apesar de terem cogitado outras regiões, como Uganda (na África Oriental) e a Bacia do Rio da Prata. Assim, se em algum momento entre os dois "pós-guerras" (1918 ou 1945) especulou-se sobre outra região que não a Palestina para a imigração e colonização judaicas com vistas à formação de um Estado hebreu, isso foi em vão e sem sentido, pois, antes desses dois períodos históricos, a decisão pela Palestina já havia sido tomada e as migrações massivas já haviam iniciado, principalmente a partir de 1917, quando a Declaração Balfour britânica "via com bons olhos" a criação de um "lar nacional judaico" na Palestina histórica (de maioria populacional árabe e islâmica). Isso denota o claro apoio colonial e imperialista inglês à causa nacional sionista que, entre outros atores (como a ONU), determinou a partilha da Palestina entre um Estado árabe e outro judeu em 1947 e a criação do Estado de Israel em 1948.
BF - Como se portam os judeus não-sionistas? Li que eles criticam a criação do Estado de Israel por ter se baseado num conceito de "raça" – assim como os nazistas caracterizavam os judeus. O senhor poderia explicar isso melhor?
Karam – Creio que hoje em dia é um pouco difícil falar em "judeus não-sionistas", porque o conceito político-nacional "sionista", devido aos próprios fatos e processos históricos que experimentou ao longo do século 20, é hoje considerado quase como sinônimo de "conservadorismo" ou de uma "ideologia de direita e reacionária", e acabou por abarcar, em linhas gerais, o termo étnico-cultural (e religioso) "judeu". Assim, atualmente seria um pouco complicado separar um do outro, e dizer que há "sionistas" e que há "judeus" que não seriam sionistas.
Porém, historicamente isso não ocorreu assim. Como vimos, a principal corrente do sionismo (a "trabalhista", que se opunha à "revisionista", de direita) nasceu de um pensamento laico e secular e de uma ideologia com matizes político-filosóficos marxistas que, inclusive, não dava quase importância ao Judaísmo como tal e era contrário à via armada, opção defendida pelos revisionistas para a conquista territorial e a fundação de um Estado. O que ocorreu foi que a corrente "revisionista" de direita quase que sequestrou os ideais e a estratégia de ação dos pais fundadores do sionismo da primeira metade do século 20 após a criação do Estado de Israel em 1948 (para alguns, até antes, nos anos 1930-40, quando vemos o endurecimento da investida sionista na Palestina, cuja retaliação foi a revolta árabe-palestina de 1936-39) e, principalmente, depois da Guerra dos Seis Dias de 1967, fenômeno que se alastra até hoje. Isso não significa que atualmente não exista todo um espectro político-ideológico progressista e de esquerda em Israel (embora enfraquecido), que é pacifista e pró-palestinos, mas que não deixa de ser também "sionista", se considerarmos esse termo na sua acepção original e histórica.
BF – Mas quem seriam os judeus não-sionistas de hoje?
Karam– Se formos considerar o que tu chamas de "judeu não-sionista", acredito que essa expressão então deveria ser entendida como equivalente aos atuais judeus de esquerda e pacifistas. Ademais, devemos assinalar que os chamados "judeus ortodoxos", que na acepção atual seriam o melhor exemplo de "sionistas", são, paradoxalmente, contrários à própria existência do Estado de Israel, justamente porque ele é fruto de um projeto laico e secular, que não teria aguardado o regresso do Messias, o único encarregado de realizar tal façanha segundo a chamada visão "fundamentalista" judaica.
BF – Desde a criação do Estado de Israel, quais territórios principais eles ocuparam? Quando falamos em Palestina, devemos considerar a Faixa de Gaza e a Cisjordânia juntas e só isso?
Karam – Segundo a partilha da Palestina histórica, proposta e aprovada pela ONU, o Estado árabe deveria ficar com aproximadamente 43% do território, enquanto que, ao Estado judeu-sionista, competiria controlar 56%. Os restantes 1%, Jerusalém, seriam colocados sob um mandato internacional administrado pela ONU. Essa divisão respeitava muito pouco dois fatores essenciais – a ocupação das terras e a maioria populacional – pois a maioria do território seria controlada por uma minoria judaica (30%). Segundo o estudioso Henri Cattan, os sionistas "não respeitaram nem antes nem depois os limites fixados pela resolução de partilha da ONU", pois, antes da fundação de Israel e da primeira guerra árabe-israelense, os judeus, através de sua superioridade econômica e militar (e paramilitar das milícias de direita), já tinham comprado 6% das terras e invadido a maior parte delas, expulsando a população civil árabe-palestina. Assim, após a primeira guerra árabe-israelense de 1948-49, a ocupação sionista da Palestina havia ascendido a mais de 70% do território, deixando aos árabes as piores terras de cultivo para sobreviver. Após a Guerra dos Seis Dias de 1967, quando Israel conquista a Cisjordânia à Jordânia, a Faixa de Gaza e a Península do Sinai (esta seria devolvida depois) ao Egito e as colinas de Golã à Síria, aprofunda-se ainda mais o fenômeno da "direitização" e militarização do sionismo, pois, segundo o historiador israelense Shlomo Ben-Ami, "o sionismo se redefinia perigosamente (...) devido ao encontro dos israelenses com as ‘terras bíblicas’ da Judéia e Samaria (...)", numa alusão à perda de legitimidade histórica e política de Israel em manter os territórios ocupados, situação que persiste na Cisjordânia, Faixa de Gaza e nas colinas de Golã, o que hoje representa quase 80% do território da Palestina histórica sob controle e administração israelense. Assim, aquilo que os palestinos hoje reivindicam para constituir seu Estado soberano nada mais é do que 20% das terras originais do mandato britânico, um valor bem menor do que os 43% do plano de partilha de 1947.
BF – O objetivo de Israel é derrubar o governo do Hamas?
Karam – Eu diria que, a curto prazo, o objetivo de Israel é enfraquecer o democraticamente eleito e, portanto, legítimo governo palestino do Hamas, para talvez tentar conduzi-lo à queda a médio e longo prazos. O problema é que o próprio Estado de Israel e a política externa dos EUA são culpados pela eleição do Hamas ao terem debilitado politicamente e atacado (inclusive militarmente) as instituições do governo anterior da al-Fatah de Arafat, facção centrista da OLP, que também vinha sofrendo um desgaste interno e enfrentando acusações de corrupção, principalmente por parte dos integristas islâmicos e da esquerda palestina, que ainda não teve a oportunidade de governar. Diz-se que o atual dilema norte-americano e de seu aliado israelense na região é ter de escolher entre governos civis laicos esquerdistas (às vezes não tão democráticos) e um islamismo político religioso e reacionário (e às vezes democrático), este tendo constituído um fenômeno em grande medida apoiado e difundido pelos EUA e por Israel durante a Guerra Fria, mas que jamais poderiam imaginar que se voltaria contra eles e que chegaria ao poder.
BF – O assassinato do primeiro-ministro libanês, pró-EUA, Hariri pode ser considerado o início de tudo?
Karam – Não. O assassinato do ex-primeiro-ministro libanês representa mais um fato de todo esse processo que envolve a causa palestina e a ocupação israelense de terras árabes e a ressonância e influência que ambas vêm tendo na região nas últimas décadas. Esse é o caso da ramificação sírio-libanesa do conflito, em que o Hezbollah libanês pró-sírio e apoiado pelo Irã tem obtido, no âmbito político-social, um massivo apoio interno de grupos sociais libaneses historicamente marginalizados (operários, classes médias urbanas e camponeses de maioria xiita) pela elite burguesa-liberal tanto cristã (notadamente maronita) como muçulmana sunita de Beirute e das principais cidades do país. Externamente, o Hezbollah constituiu-se, para as massas árabes e muçulmanas, como o grande vencedor ao infligir, após 18 anos de enfrentamentos, uma derrota a Israel (que, em 2000, retirou suas tropas ocupantes da então chamada "zona de segurança" do sul do Líbano). Assim, o Hezbollah e outros grupos guerrilheiros e de resistência (alguns fundamentalistas, outros não) e os próprios países do Oriente Médio (Líbano, Síria, Irã, etc.) que representem um projeto político-econômico oposto ou que sejam simplesmente uma voz dissonante em relação à política externa norte-americana (e de seu quase Estado-vassalo, Israel) são e serão considerados como parte de um plano mais amplo de reestruturação geopolítica, econômica e militar, que já vem ocorrendo no Oriente Médio e na Ásia Central, como é o caso do Iraque e do Afeganistão, e cujo objetivo é impor a "" à região de acordo com as normas do "" neoconservador de Washington.
BF – E o islamismo nisso tudo? A união das correntes deve perdurar até quando?
Karam – Nos casos específicos do Hezbollah libanês e do Hamas palestino não penso que possamos formalmente falar de uma "união das correntes". O que há é uma espécie de solidariedade e apoio indireto mútuo entre esses grupos, mesmo porque o islamismo político do Hamas difere daquele do Hezbollah (por exemplo, este grupo é xiita e, aquele, sunita). Porém, uma semelhança estratégica da luta de ambos que poderíamos apontar, como o faz o especialista no tema, o francês Olivier Roy, seria a incorporação da defesa de um nacionalismo árabe e/ou islâmico ao discurso islamista/fundamentalista do Hamas e do Hezbollah, numa alusão meramente tática (mas não de uma ideologia marxista ou comunista) ao que propunham ou faziam os nacionalismos das esquerdas pan-árabes e socialistas dos anos 1950-70, os reais grandes perdedores dessa verdadeira "batalha" político-ideológica e sócio-econômica pelo controle do poder estatal no Oriente Médio e nos países árabes nos últimos 30 anos.
BF – Como os governantes do mundo ocidental vão se posicionar se a guerra adquirir contornos mais dramáticos? Quem seriam os "Aliados" e o "Eixo" de uma terceira guerra?
Karam– Ora, a maioria dos governos dos países ocidentais que pertencem ao que, numa linguagem marxista, chamamos de "centro do sistema capitalista" (como o G-7, a Rússia e a Austrália), e também seus aliados da periferia desse sistema (alguns países da Europa Oriental, América Latina, Ásia Oriental, África Subsaariana e do próprio Oriente Médio) respalda e respaldará claramente Israel ou, em alguns poucos casos, até criticará Israel e levantará a bandeira da "paz", conceito que, esvaziado de seu real sentido e propósito, tornou-se uma espécie de "moda pós-moderna politicamente correta" das relações internacionais. Porém, duvido muito da adoção de medidas e sanções concretas contra o uso desproporcionado e ilegal da força militar por parte de Israel ao atacar a Faixa de Gaza e o Líbano nessas últimas duas semanas. Não acredito na propagação do conflito para além das fronteiras do Oriente Médio de uma guerra que, na verdade, é até sub-regional (o que não envolveria o Irã), porque já há outras duas frentes de batalhas na área (Iraque e Afeganistão), mas principalmente porque o que Israel está fazendo é servir a sua potência protetora e financiadora ao pôr em prática o projeto geopolítico republicano da administração Bush dirigido a reorganizar as forças políticas do Oriente Médio, ainda que, neste caso, seu alcance e objetivo sejam, pelo menos num primeiro momento, de nível sub-regional (Palestina, Líbano e, indiretamente, Síria).


Expansão das fronteiras de Israel:


O Estado de Israel, que completa 60 anos neste mês de maio, teve suas fronteiras definidas a partir de várias guerras com países vizinhos. Em 1947, o plano de partilha da ONU (Organização das Nações Unidas) previa a divisão do território em dois Estados, um de Israel e um palestino. Em 1949, Israel vence a primeira guerra árabe-israelense e expande fronteiras. Modificações também aconteceram em 1967 e nos últimos anos.
























Referência bibliográfica: http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u400289.shtml

domingo, 8 de fevereiro de 2009

CRER

Hoje é domingo, para mim,
dia do Senhor, assim quero
expressar minha opinião
tornando o verbo CRER bem
claro em minha vida:







Acreditar naquilo
que não podemos ver:
FÉ. Verbo, expressão
da ação de Deus em nós.

- Haja cruz!

Só então a luz se fez do
NADA. Ato da criação,
da verdade, beleza,
palavra. Através
do amor do Pai, da entrega
do Filho, para que
do Alto nos fosse dado
o Poder, o consolo,
do Espírito Santo.
Renovada a Aliança
nascemos novamente
na esperança de estarmos
um dia, face a face.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Tudo misturado

Pois é, tudo misturado porque não são poucos os assuntos.
É o crack no Rio de Janeiro formando crianças "interrompidas", as crianças mais pobres e usadas pelo tráfico nosso de todo dia. Sim, por que não se explica como esta corja sobrevive à política de idas e vindas da polícia nos morros da cidade.
Será por ser este um mercado tão lucrativo? Será por isso que tem muita gente graúda neste meio disfaçando uma ação para a população?
As pessoas são pesadas como mercadorias. É verdade, o capital faz isto e não há novidade. Novo só mesmo o silêncio. Ah, o silêncio! Estamos tão calados...
Há um medo suspenso no ar, que me lembra muito uma triste história que vivemos por décadas de ditaduras espalhadas pelo mundo.
E ainda insistimos em justificar as guerras. GUERRAS NÃO TEM SENTIDO ALGUM!
Matamos o nosso próximo e dizemos: é por nosso Deus, por motivos puramente religiosos. MENTIRA!
Fazem isto porque o outro é mercadoria, é coisa.
Estava lendo a Bíblia (nisto também não há nada de novo, pois leio a Palavras todos os dias), e me deparei com Ezequiel 7:25-26. Diz mais ou menos assim, eles procurarão a paz, mas não há paz; só miséria sobre miséria. Decorem este trecho, leiam em voz alta, nossas escolhas implicam em consequencias.
Sei que muitos não compartilham da minha fé, mas vocês procuram a paz? Vocês a encontram em seus corações? O que há no mundo para ver?
As coisas estão tortas, as relações são superfícies finas...
Tudo pronto para ser quebrado, derrotado; nosso trabalho é um peso enorme, nossos filhos, estes nem conhecemos. Não desejo ideologias para viver.
Desejo a verdade! O que meu coração testemunha como verdade em mim.
E por isso procuro a paz; não esta paz da propaganda política, mas aquele que é a PAZ.
Falo do Cristo sim... falo daquele que me acolheu e me separou, como a muitos.
Falo do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Falo da verdadeira paz, da verdadeira alegria, que surge de dentro para fora de nós, no encontro.
Que Deus dê olhos para que todos vejam e ouvidos que o ouçam e corações flexíveis, para que neles seu Santo Espírito possa soprar docemente.
A paz, não a temos no mundo.
Um dia toda esta prata e todo este ouro acumulado não mais servirão para nada.
Por quê? Porque estaremos diante de Deus e, este Deus é Criador, dele são todas as coisas. Porque Ele lê os corações, e você não tem com que regatiar, todos iremos a Deus em igualdade de condições, todos de mãos vazias.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009