sábado, 6 de março de 2010

E por falar em mulheres...


Bom, segunda-feira é dia 8 de março, dia Internacional de Luta das Mulheres.

É, luta sim. A história do dia 8 não é brincadeira, em 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, em Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica reivindicando melhores condições de trabalho, isto é, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho, inclusive com relação ao assédio sexual.
A manifestação foi reprimida com violência: as mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada, aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas.
Assim, no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Depois desta introdução ao tema devo dizer que, como mulher, dei minha contribuição a esta batalha. Eu mesma oprimida desde a infância por ser gordinha! Eu vivi o período da ditadura, na pele da minha família, porque mesmo ainda criança, eu sentia todos os climas. E veio a Anistia, a Greve Geral, os sindicatos, a CUT, antes disso a formação do PT e, fechando o período, as Diretas Já. A organização política, um casamento (primeira paixão, primeiro desastre), e por aí vai. Tudo isso trabalhando e estudando, ufa! E hoje continua tudo igual, o mesmo trabalhão.

Agora, amadurecida eu posso ser POETA, posso ser uma mulher doce e terna, mas cheia de opinião. Esta que tem um monte de sonhos, e está sempre pronta para dobrar uma esquina e encontrar outro olhar.

Sempre pronta para amar, romântica como pimenta.

Yes...

E para todas as mulheres: Feliz dia 08 de março, mulherada!!!!!!!!!!!!!

2 comentários:

Sonhadora disse...

Minha querida Cynthia
Gostei de te ouvir.
Fica pronta para amar...mas só amar.
Desculpa, estou a falar de mim.
Eu também fui revolucionária, no tempo da ditadura, ia a reuniões politicas...depois morri e comigo morreu tudo.
É triste...sou triste.
Continua com essa garra, por ti e por todas as mulheres que ficaram no cais.

beijinhos
Rosa

Cynthia Lopes disse...

Ainda mora dentro de ti a mesma revolucionária, minha querida Rosa-Flor, tenho certeza.
Um grande beijo e obrigada por me acompanhar sempre nesta minha trajetória.
:)